emmy 2015 – de onde vem, o que faz e pra onde vai

emmy-awardsAntes do Fall Season começar, a tv celebra tudo o que aconteceu neste último ano, ou melhor, de 1 de junho de 2014 a 31 de maio de 2015. Na tv americana, os principais canais revezam a transmissão, a casa da 67a edição é a Fox, que convocou Andy Samberg (Brooklyn Nine-Nine, SNL) pra apresentar. Aqui no Brasil, o Warner vai transmitir tudo, ao vivo, a partir das 21h. Todos os indicados estão listado aqui. A novidade deste ano é que acabou aquela história de poder escolher o gênero (comédia/drama) na hora de inscrever uma série. Se tem mais de 30 minutos, é drama. Assim, Orange is the New Black, por exemplo, deixou de ser comédia.

E agora eu começo a fazer minhas previsões:

Série comédia – Transparent. Veep também tem boas chances.

Atriz comédia – Amy Schumer (Inside Amy Schumer). Acho que ela desbanca Julia Louis-Dreyfus (Veep).

Ator comédia – Jeffrey Tambor (Transparent),

Atriz coadjuvante comédia – Allison Janey (Mom).

Ator coadjuvante comédia – Titus Burgess (Unbreakable Kimmy Schmidt). Pinot noir!

Série drama – Mad Men. Game of Thrones tem uma boa chance.

Atriz drama – Taraji P. Henson (Empire). Viola Davis (How to Get Away With a Murder) está na cola.

Ator drama – Jon Hamm (Mad Men). Pelo amor, um Emmy pra este homem que não usa cueca!

Atriz coadjuvante drama – Uzu Aduba (OITNB). Mas queria que a Christina Hendricks (Mad Men) ganhasse.

Ator coadjuvante drama – Jonathan Banks (Better Call Saul).

Minissérie – Olive Kitteridge.

Atriz de minissérie –  Frances McDormand (Olive Kitteridge) ou Queen Latifah (Bessie).

Ator de minissérie – David Oyelowo (Nightingale).

É isso!

o oscar 2015

vencedores oscarComo sempre, foi uma noite bem longa, mas, paradoxalmente, enxuta. Como a grande maioria dos filmes indicados era independente, havia um clima de camaradagem, leve como o Spirit Awards, que este ano serviu como uma prévia do Oscar. As pessoas foram ao Dolby Theater com o intuito de celebrar o cinema e aplaudir os colegas. Não teve carão, todos que ganharam ficaram imensamente felizes por vários motivos. O principal é que eles sabem que está cada vez mais difícil fazer filmes como Birdman, Boyhood, O Jogo da Imitação, Whiplash, O Grande Hotel Budapeste, Selma… Então, ser reconhecido por uma indústria que tem dito não aos filmes independentes é justamente a glória.

Neil Patrick Harris estava morno, conseguiu fazer uma limonada com os limões que recebeu. O roteiro riu de si mesmo fazendo autocríticas o tempo todo. Num Oscar de pouca diversidade, as minorias falaram mais alto. Patricia Arquette reivindicou igualdade salarial. Foi ovacionada e arrancou gritos de “é isso aí, mana” de Meryl Streep. John Legend e Common emocionaram ao apresentarem Glory, do filme Selma. Ganharam e subiram ao palco pedindo que a luta por igualdade, democracia e  justiça continue em todos os lugares do mundostreep arquetteglory pine

Graham Moore, roteirista de O Jogo da Imitação, vencedor na categoria roteiro adaptado, fez um desabafo. “Quando eu tinha 16 anos, eu tentei me matar porque eu me sentia esquisito e me sentia diferente e sentia que não pertencia a lugar nenhum. E agora que eu estou aqui eu gostaria de dedicar esse momento aos jovens por aí que sentem que são estranhos ou diferentes ou que não se encaixam – sim, vocês se encaixam. Eu prometo. Permaneçam estranhos, permaneçam diferentes, e quando chegar a sua vez, e vocês estiverem sobre esse palco, transmitam essa mensagem para as pessoas que virão depois de vocês.” Lembrou o discurso do Dustin Lance Black.

E então veio o momento mais bonito e surpreendente da noite. Lady Gaga cantou e encantou um medley de A Noviça Rebelde. Nos fez querer escalar todas as montanhas. Até a semana passada, ela estava sendo taxada pela mídia como uma piada, uma pobre fracassada sem talento, irrelevante, mesmo tendo feito uma linda apresentação no Grammy (e ganhou) e sido convidada por Paul McCartney para uma gravação. Vê-la cantando perfeitamente e sendo ovacionada foi basicamente a síntese de cada filme indicado neste Oscar, que recebeu tantos nãos e percorreu um longo caminho até conseguir alguma visibilidade, por méritos próprios. Julie Andrews entrou em cena e eu chorei. julie andrews gaga

Teve surpresas: Whiplash abocanhou mais que um Oscar e garantiu uma boa carreira para o diretor Damien Chazelle. Big Hero 6 venceu Como Treinar Seu Dragão, Boyhood não levou nem em edição, onde era favoritíssimo, Alexandre Desplat ganhou por O Grande Hotel Budapeste, e não por O Jogo da Imitação, como se previa. Birdman levou até em roteiro original, onde todos juravam que ia dar O Grande Hotel e o curta The Phone Call ultrapassou Boogaloo and Graham.

Finalmente deram um Oscar pra Julianne Moore!!! John Travolta está cada vez mais esquisito e todo mundo, com ou sem Oscar, teve uma noite de Cinderela. Até o ano que vem! cumberbatch

oscar 2015 e meus pitacos

Filme: Birdman. Nem todos entenderam Boyhood e a campanha de Birdman cresceu muito nos últimos minutos. Fora que é aquele filme que todo mundo gostaria de ter feito. Quem merece: Birdman, Boyhood e O Grande Hotel Budapeste.
Direção: Richard Linklater (Boyhood). Um jeito de premiar Boyhood com um Oscar importante. E seria super merecido. Iñárritu também merece.
Atriz: Julianne Moore (Para Sempre Alice).
Ator: Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo). Ele arrasou, mas tem tudo o que a academia gosta. É uma cinebiografia, uma interpretação física, é jovem e ainda é inglês!
Atriz Coadjuvante: Patricia Arquette (Boyhood). Ela simplesmente brilha.
Ator Coadjuvante: J.K. Simmons (Whiplash). Chega a ser assustador. “Not quite my tempo.”
Roteiro Original: O Grande Hotel Budapeste – Wes Anderson.
Roteiro Adaptado: O Jogo da Imitação – Graham Moore.
Edição: Boyhood. Não entendo como Birdman não foi indicado.
Fotografia: Birdman – Emmanuel Lubezki.
Figurino: O Grande Hotel Budapeste – Milena Canonero
Filme Estrangeiro: Ida. Adoraria que Relatos Selvagens levasse, mas acho que a campanha atrasou um pouco. Pode dar Leviathan.
Animação: Como Treinar Seu Dragão 2.
Canção: Glory – Selma ou I’m Not Going to Miss You – Glen Campbell: I’ll Be Me.
Trilha: A Teoria de Tudo – Alexandre Desplat. Acho absurdo Whiplash e Birdman não terem sido indicados.
Design de Produção: O Grande Hotel Budapeste
Cabelo e Maquiagem: Foxcatcher.
Edição e Mixagem de Som: Birdman.
Efeitos Visuais: Interestelar.
Curta de Animação: Feast (O Banquete).
Curta-metragem: Boogaloo and Graham.
Documentário: CitizenFour.
Documentário Curta: Crisis Hotline: Veterans Press 1

reviravolta no emmy

emmyNão tem mais essa de série mudar de categoria pra ter mais chances de ganhar. Agora no Emmy é assim: Se a série tem episódios com mais de 30 minutos, é drama. No ano passado, Shameless viu que teria mais chances de ganhar se concorresse como comédia, este ano, quando as novas regram passam a valer, ela terá que tentar a sorte no drama. Mas as chances aumentaram, pois a Academia de Artes e Ciências Televisivas reconheceu o crescimento de séries boas e aumentou de seis para sete os indicados – em comédia e drama.

A categoria Minissérie acabou, agora é Série Limitada. São produções em duas ou mais partes, com duração mínima de 150 minutos no total, antológicas. Ou seja, histórias independentes sem continuação nem personagens recorrentes. Então True Detective, que tentou ano passado o Emmy de série dramática, agora só pode concorrer em Série Limitada, assim como Fargo e American Horror Story.

A parte de Variedades também teve mudança. A categoria passa a ser dividida em talk show e esquetes de variedades. Logo, Saturday Night Live não concorre mais com James Stewart, Conan O’Brien…

Os produtores e canais que não concordarem com as novas regras poderão fazer um requerimento que será analisado por uma comissão da Academia. Para que o requerimento seja aceito, ele precisa que 2/3 da comissão aprovem o protesto.

tudo o que você precisa saber do oscar 2015

oscar neil patrick harrisA 87ª entrega dos Oscar acontece amanhã, dia 22. A transmissão completa vai ser pela TNT a partir das 20:30h com o tapetão e aqueles programetes chatos. O E! vai exibir o tapete ao vivo, mostrando direitinho os vestidos bonitos, elegantes e os desastrosos (que a gente gosta de ver). A cerimônia mesmo começa às 22h. A Globo passa a exibir ao vivo depois do Big Brother.

A apresentação vai ser do Neil Patrick Harris (How I Met Your Mother), que vai precisar cortar um dobrado para compensar a falta de popularidade dos filmes indicados – uma grande maioria de independentes – e do boom que foi o Oscar do ano passado, com Ellen DeGeneres e sua selfie estelar (que não saiu como previa o roteiro). E a entrega de pizza. Os produtores sabem disso e já convocaram muitas estrelas e muitos números musicais. “Queremos entreter”, disseram os produtores. Além das apresentações das músicas indicadas (Adam Levine, Rita Ora, John Legend, Common, Tegan & Sara e Tim McGraw), Lady Gaga, Jennifer Hudson, Anna Kendrick e Jack Black farão números especiais.

Os prêmios serão entregues por Jennifer Aniston, Scarlett Johansson, Chaning Tatum, Chris Pratt, Jared Leto, Chris Evans, Pine, Lupita, Viola Davis, Octavia Spencer, Cate Blanchett, Josh Hutcherson e muitos outros.

De previsível mesmo são as categorias de atores. Vai dar Julianne Moore (Para Sempre Alice), Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo), Patricia Arquette (Boyhood) e JK Simmons (Whiplash). O resto vai ser dividido entre Birdman, Boyhood e O Grande Hotel Budapeste.

Tem brasileiro no Oscar? Tem. O documentário O Sal da Terra, sobre o fotógrafo Sebastião Salgado, é dirigido por Win Wenders e o filho do fotógrafo, Juliano. O Sal da Terra acabou de ganhar o Cesar na França, mas no Oscar, a disputa está equilibrada entre CitizenFour e Virunga. CitizenFour é sobre os vazamentos de informações promovidos por Edward Snowden. Já Virunga mostra o arriscado trabalho dos guardas do parque Virunga, que preserva os gorilas no Congo. Virunga está disponível na Netflix.

E qual é a história da selfie da Ellen DeGeneres? Bom, segundo os produtores, o roteiro era Ellen descer do palco e ir até Meryl Streep. Ellen sacaria o celular para tirar uma selfie com as pessoas próximas, mas como seu braço seria curto demais, ela pediria para Meryl tirar a foto. A piada seria justamente Meryl não sair na foto. O que aconteceu? Ellen tentou seguir o roteiro, mas Bradley Cooper pegou o celular e sacou a selfie. 

E a pergunta que não quer calar: qual a diferença entre edição de som e mixagem de som? Edição de som são os sons produzidos separadamente, como batidas, motores… as onomatopeias da vida. Já mixagem é o trabalho de colocar todos os sons, inclusive as falas, de forma equilibrada, balanceada. Geralmente quem ganha edição de som ganha também mixagem.

Bom Oscar!

antes do carnaval

vingadores homem aranhaO que já aconteceu nas últimas semanas antes de nós momarmos na carne? O post faz um apanhado dos principais acontecimentos para a gente pular ou desmaiar bem informados.

Depois de muita negociação, a Sony e a Marvel fizeram um acordo para o Homem-Aranha participar dos filmes da Marvel. Nos tempos de vacas magras, a Marvel vendeu os direitos de seus personagens para a Sony e a Fox. Com tudo acertado, o Homem-Aranha deve fazer sua primeira aparição em Capitão América: Guerra Civil. Com essa mudança, os outros filmes da Marvel, como o próximo Thor, foram reagendados. Tudo leva a crer que o aracnídeo deve aparecer também em Os Vingadores: Guerra Infinita, marcado para 2018. O que não se sabe é se Andrew Garfield continuará no papel.

A final do Superbowl revelou não apenas os tubarões dançantes da Katy Perry, mas também trailers de blockbusters. Veja o Chris Pratt vai usando velociraptores para salver vidas. Cool, quero ver! 

Tomorrowland estava marcado para estrear em dezembro passado. Ele anda bem quietinho, o que nos levanta a suspeita de que não deve ser lá essas coisas, embora tenha as mão do Brad Bird. Esta é a segunda tentativa de fisgar o público. 

Ainda teve mais um trailer de Os Vingadores: A Era de Ultron, Ted 2, O Exterminador do Futuro sei lá que número.

Em tempos de Oscar, ninguém fala dele. Quer dizer, falou-se dele em Sundance, mas no ano que vem. O Festival de Sundance nunca atraiu tanto as atenções como este ano. Rolou até Brasil, que premiu Alô Regina Casé por Que Horas Ela Volta. Para ficar de olho: Brooklyn, The Witch, Me and Earl and the Dying Girl e The End of the Tour.

Para não dizer que não se falou de Oscar, os prêmios dos sindicatos e o Bafta confirmam que o deste ano deve ser um chuveirinho: uma gotinha para Boyhood, outra para Birdman, um pouquinho para O Grande Hotel Budapeste e uma umidificada para A Teoria de Tudo, afinal, estamos em estiagem. Se Birdman ganhar como melhor filme, o que tem um pouco mais de chances de acontecer, Richard Linklater leva o prêmio de direção por Boyhood e vice-versa. Quem deve fazer um pouco mais de festa é O Grande Hotel Budapeste, que deve levar o prêmio de roteiro original (a categoria mais disputada), figurino, direção de arte e até fotografia (Birdman é o maior adversário). No mais, vai dar Julianne Moore (Para Sempre Alice), Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo), Patricia Arquette (Boyhood) e JK Simmons (Whiplash). Na torcida para Relatos Selvagens levar o Oscar de filme estrangeiro.

Já na tv, a Netflix já avisou que vai enfrentar a Amazon com tudo. Anunciou uma série baseada em Zelda (derrubou minha ocarina) e a série do Baz Luhrmann, The Get Down. Ainda soltou os trailers de suas novas séries: Demolidor e Bloodline. 

 

birdman, o oscar e a plateia

_AF_6405.CR2Lá pelas tantas de Birdman (ou A Inesperada Virtude da Ignorância), Riggan (Michael Keaton) atravessa a Times Square apenas de cueca e meias. Ele precisa dar a volta no quarteirão e atravessar uma multidão com seus celulares e pedidos inconvenientes. Sua vida depende disso, é sua aposta para sair do ostracismo e provar sua relevância. Essa sequência (há muitas outras também) sintetiza o que é o filme, uma sátira atual cravejada de metalinguagem. Absolutamente genial!

Riggan, um ator que fez sucesso como o super herói Birdman numa série de filmes, decide adaptar um romance para os palcos. Não só isso, ele também atua, produz e dirige a sua estréia na Broadway;  são os últimos ensaios que acompanhamos no filme. Alejandro Gonzáles Iñárritu também aposta alto no seu filme, ele faz um falso plano-sequência, como se o filme tivesse sido rodado num take só e não economiza em ousadia. Da trilha sonora, praticamente solos de baterias, ao realismo fantástico (ou realismo mágico, como é chamado lá fora), que está quebrando a cabeça do público americano.

Assim como Riggan, Michael Keaton também é lembrado por outro super herói. Apesar de ter trilhado um caminho diferente do seu personagem, Birdman não deixa de ser seu retorno ao estrelato. Ao longo das quase duas horas, não faltam metalinguagens como essa. Aliás, o filme todo é uma grande metalinguagem que dá esperança aos cinéfilos de plantão. Num momento em que Hollywood segue a dieta do blockbuster e de filmes qualquer coisa, ver algo autocrítico e extremamente autoral é um deslumbre.

O elenco inteiro está bárbaro! Michael Keaton brilha como nunca, assim como Edward Norton e Emma Stone, que eu sempre amei, mas nunca a tinha visto numa papel que não fosse a menina esperta e legal. A fotografia do ousadíssimo Emmanuel Lubezki (Filhos da Esperança, Gravidade) não dá nem pra comentar, fora a edição, injustamente e inexplicadamente não indicada ao Oscar.

É interessante ver os indicados ao Oscar deste ano. Nenhum dos filmes é exatamente popular. Pelo contrário. Pelo menos três, os que estão na dianteira – Birdman, Boyhood e O Grande Hotel Budapeste -, são absolutamente autorais e independentes. É a indústria, cansada dos Transformers da vida, dando o recado de que é preciso melhorar a qualidade dos filmes. Mas a plateia quer melhores filmes ou prefere continuar com os blockbusters?

Birdman, Boyhood e O Grande Hotel Budapeste têm qualidades sutis e de delicadezas ímpares, não perceptíveis para a maioria do público, já massificado pela velocidade que não leva a lugar algum das grandes bilheterias. Ele não aceita mais a ambiguidade e já não consegue digerir metáforas. Tudo está ao pé da letra. Mas na contramão disso, filmes independentes estão sendo cada vez mais celebrados. Para ver a urgência, o Festival de Sundance mal acabou e já especulam os prováveis indicados da temporada 2016 – ainda é muito cedo, porém falam em Brooklyn, Grandma e The End of the Tour.

Numa outra sequência de Birdman, a feroz (e estúpida, de certo modo) crítica do NYT, destila todo o mal que é a indústria do entretenimento de hoje, numa tentativa de livrar o teatro, o seu meio, da espetacularização. O que se sabe é que essa dieta que os grandes estúdios estão seguindo é tão maluca e insustentável como qualquer dieta da moda.

a noite dos ruivos

eddie redmayneE num ano sem favoritos definidos em que a gente apostava na mesmice, os Globos de Ouro surpreenderam. Os correspondentes estrangeiros deram um tapão na nossa cara e revelaram o fetiche por ruivos. Brincadeira, mas foram quatro: Julianne Moore (Para Sempre Alice), Eddie Redmayne (A Teoria de Tudo), Ruth Wilson (The Affair) e Amy Adams (Grandes Olhos). Apesar de não ter levado por Birdman, nosso olhos foram só para a Emma Stone.

Mas falando sério, True Detective, que eu achava que seria barbada, saiu de mãos abanando. Fargo levou a melhor, nem eles acreditaram, e com dois prêmios – minissérie e ator (Billy Bob Thornton)! Joanne Froggatt, de Downton Abbey, desbancou a Uzu Aduba (Orange is the New Black), que eu jurava que seria premiada. O Grande Hotel Budapeste passou Birdman para trás em filme – comédia ou musical, o Wes Anderson levou um susto.

benedict-photobombMaggie Gyllenhaal, acompanhada do irmão Jake (diga-se de passagem, um dos mais bonitos da noite), levou seu globo por The Honorable Woman. Me deu certa raiva, porque Frances McDormand merecia um monumento por sua interpretação em Olive Kitteridge. Acho que ela também ficou meio decepcionada. Aí veio a maior surpresa da noite, Gina Rodriguez ganhou como melhor atriz de série de comédia ou musical por Jane The Virgin. Ela quase morreu de susto. Foi o primeiro Globo de Ouro para uma produção da CW. Transparent, como se esperava, levou o prêmio de série de comédia.

Em série drama, The Affair surpreendeu, e a protagonista Ruth Wilson saiu consagrada quando a gente esperava ver Robin Wright, Viola Davis ou a Julianna Margulies. Falando na Good Wife, que apresentou o prêmio especial para o George Clooney (cavalheiríssimo como sempre), ela parecia uma louca. Aliás, a tempestade que caiu no dia acabou com o cabelo de muita gente (“I hate . E os vestidos eram muito feios. Os únicos bonitos da noite foram, além do Jake, Jessica Chastain, Emma Stone, Benedict Cumberbatch, Matt Bomer, Diane Krueger, Jamie Dorman, Kate Hudson e a Meryl Streep – porque ela é a Meryl Streep. Até o George Clooney estava com uma maquiagem estranha. E o Prince?

Obrigado, Tina Fey e Amy Poehler, por fazerem humor inteligente, agressivo, simpático e engraçado de verdade. Vão fazer falta, mas a Kristen Wiig e o Bill Hader seriam excelentes apresentadores.

Nota: Ben Cumberbatch foi realmente escolhido ao acaso para apresentar o primeiro prêmio da noite. Ele estava meio altinho e passou o resto da noite dançando. Vendo as fotos pós-premiação, todos estavam altinhos.

a corrida do oscar 2015 – em andamento

INTO THE WOODSAo contrário dos anos anteriores, não há um filme favorito ou uma polarização. A única coisa certa é que a categoria mais disputada será a de melhor ator. Se até agora os filmes independentes estavam na dianteira, dezembro pode colocar dois filmes de peso na pole position.

Boyhood. É o filme do ano para muitos críticos, mas não é uma unanimidade entre os membros da academia. Certamente deve ser indicado por filme, roteiro, direção, edição e atriz coadjuvante – Patricia Arquette.

Birdman. Divide a preferência dos críticos com Boyhood, mas pode ser cabeça e autoral demais para os votantes. Michael Keaton com certeza vai estar na categoria ator e o filme deve ser indicado também por roteiro e direção.

O Grande Hotel Budapeste. É o único filme que estreou no primeiro semestre que ainda tem fôlego para a temporada de prêmios. Vai ser indicado também pelo roteiro, direção de arte, fotografia e, talvez, pela atuação do Ralph Fiennes.

A Teoria de Tudo. Embora o zunzunzum não seja tão grande quanto ao filme, Eddie Redmayne deve ser o favorito para levar o Oscar de ator. Ele foi extremamente elogiado, é uma cinebiografia, é uma atuação física e o Stephen Hawking já disse que “muitas vezes, parecia que eu estava me vendo”. Fora que é um jovem ator e a academia adora isso.

Invencível. Angelina Jolie é bastante subestimada, embora seja sempre elogiada. A primeira exibição de Invencível, seu novo filme como diretora, teve reações de “já ganhou”. É, de longe, o maior filme que ela já dirigiu. Ficar de olho também no jovem, mas super experiente e ótimo, Jack O`Connel, protagonista de Invencível.

Caminhos da Floresta. Os primeiros relatos diziam que o filme estava perdido, que a Disney tinha limpado toda a parte obscura da obra do Sondheim, mas parece que as coisas deram certo. A primeira exibição foi aplaudidíssima e, sem surpresas, Meryl Streep deve ser indicada pela, sei lá, centésima vez. Johnny Depp deve estar respirando aliviado.

um oscar pros gays?

Hoje Eu Quero Voltar SozinhoO Brasil vai tentar a sorte no próximo Oscar com Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (The Way He Looks é o título internacional), sobre dois adolescentes que se descobrem. Não é exatamente um filme panfletário, mas a tag gay pode ser aplicada. O filme do diretor Daniel Ribeiro é o que foi mais premiado este ano fora do Brasil e muito fácil de gostar. Portugal também vai submeter um filme de temática gay, o documentário E Agora? Lembre-me, de Joaquim Pinto. O documentário é uma autobiografia de Joaquim, que é portador do vírus HIV e de hepatite C há 20 anos. Hoje, o Canadá indicou Mommy, de Xavier Dolan. Mommy foi ovacionado em Cannes e ganhou o prêmio do juri. A França ainda não escolheu qual filme vai mandar para o combate, mas se for Azul É a Cor Mais Quente (que não pôde ter sido indicado este ano), então provavelmente vai ser um recorde de filmes com protagonistas gays na disputa pelo Oscar.

E só para ter mais um pouquinho de esperança: O Lobo Atrás da Porta se inscreveu para tentar uma indicação no Globo de Ouro. Raramente o cinema brasileiro lembra dessa premiação.

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho já está em DVD. Mommy estreia no Festival do Rio, na semana que vem.