quando os simpsons viram vinheta da mtv

Adoro quando Os Simpsons, uma das séries mais populares do mundo, dá uma subvertida. Foi assim quando convidaram o Banksy e agora, com o Don Hertzfeldt, na estreia da 26a temporada. Amusement is control. Os Simpsons como cópia da cópia da cópia da cópia da cópia…

Connecting to neural netwark. Amusement is control. Hail Hail Moon God. Watch Watch. Yes. Yes. Watch Y. Put in the eye hole. Grow like plant. Sampsans is Sampsan. Sampsan Sampsan. Beam episode into exo-skulls and vigorously touch flippers. All hail the Dark Lord of the Twin Moons. Consume now. Consume it. Rub it on your flippers. Sampsans Halmat. Sampsans Lasar Hat. Sampsans Moon Vest. Sampsans Ape Spray. Sampsans Mating Gel. Sampsans Sampsan.

espera um pouco, fall season

Suits - Season 3Fall Season começou e há, pelo menos, duas séries novas hipnotizando o povo. A primeira é uma produção original da Amazon, Transparent, sobre irmãos problemáticos que têm a vida alterada quando o pai (Jeffrey Tambor) decide mudar de sexo. A série foi criada por Jill Soloway (Six Feet Under e United States of Tara) e teve o piloto exibido para votação em fevereiro. Em março, a série ganhou carta branca para uma temporada de 10 episódios.

A outra série tem a produção executiva da maga Shonda Rhymes, que está dominando a grade da ABC. How to Get Away With Murder foi criada por Peter Nowalk, que trabalhou com Shonda em Grey’s Anatomy e Scandal. A trama gira em torno de estudantes de direito e sua professora de criminologia, que se vêem envolvidos num assassinato dentro do campus. Se eu vi alguma dessas séries? Não.

O que comecei a ver foi Suits e meio que estou viciado! A série começa com Mike (Patrick J. Adams) tentando ganhar um dinheiro fácil para que sua avó não seja transferida para um asilo público. Expulso da universidade, ele ganha a vida fazendo provas da Ordem dos Advogados para os outros. Quando pinta a chance de ganhar uma bolada só pra levar uma maleta cheia de maconha pra alguém num hotel, sua vida cruza com a do super advogado Harvey (Gabriel Macht). Mike passa a trabalhar para Harvey e adentra num mundo altamente competitivo e de altas cifras. Enquanto Harvey é egocêntrico e narcisista, Mike é seu oposto e rala não apenas para dar conta do trabalho, mas também para que ninguém descubra que ele não é advogado e nunca foi para Harvard.

Eu não sei exatamente o que me fez viciar em Suits, pois tudo é muito correto e bem feito, mas não há nada de realmente excepcional. A série e seus personagens têm muito charme, talvez tenha sido isso. É meio White Collar, mas com bem mais sustância! As duas primeiras temporadas de Suits estão na Netflix.

malkovich, malkovich, malkovich

Dizem que se você disser três vezes o nome dele, ele aparece. John Malkovich por Sandro Millerpara a exposição que homenageia artistas e fotografias históricas. A exposição vai entrar em cartaz na Catherine Edelman Gallery, em Chicago, no início de novembro e segue até o fim de janeiro. Todas as fotos aquimalkovich

insterstellar se aquecendo

Interestelar, o novo filme do Christopher Nolan, era a grande promessa de 2014. Com estreia marcada para o dia 6 de novembro, a campanha de marketing anda bem fraquinha e os trailers divulgados não disseram muita coisa. Mas parece que a Warner vai pegar mais pesado a partir da próxima semana, quando um trailer de 2 minutos será divulgado nas sessões de Garota Exemplar, nos Estados Unidos.

Matthew McConaughey e Anne Hathaway, os protagonistas, disseram que o filme é empolgante, desafiador e vibrante. Algo inédito. Já Nolan disse que remete aos blockbusters de sua juventude. “É como A Origem no espelho. Só que Interestelar se expande quando A Origem se contrai”. Será que vai ser que nem Avatar, que ninguém dava nada e quando estreou, todo mundo surtou?interestelar 2 interestelar 3 interestelar 4 interestelar

beteu na johansson, bateu em mim

lucyEu tenho trauma do Luc Besson desde que vi a Joana D’Arc dele com a Milla Jovovich. Nos quase 160 minutos de filme, devo ter dormido umas duas ou três vezes. Então eu não tenho a menor vontade de ir ao cinema quando ele lança um filme novo, mesmo quando dizem que é muito bom ou maravilhoso (o que acho que nunca ocorreu). Depois de duas pessoas me perguntarem se eu tinha visto Lucy, eu decidi ir ao cinema para entender o bafafá. Saí positivamente meio assim assim.

Lucy (Scarlett Johansson) é uma jovem meio vida loka em Taipei. O filme começa com ela e seu ficante Richard na entrada de um hotel de luxo, com ele tentando convencê-la a entregar uma maleta para um coreano chamado Jang (Min-sik Choi). Não é um serviço tão simples como Richard tinha dito e ela acaba servindo de mula para contrabandear uma nova droga para a Europa. Um pacote de droga (talvez fabricada pelo Jesse e Mr. White) se rompe no corpo de  Lucy e seu organismo sofre uma overdose que a transforma numa super-humana. Seu cérebro passa a ter capacidade gradativa de 100% de uso!

A outra parte do filme envolve o personagem do Morgan Freeman, Norman, que tenta provar que usamos mesmo apenas 10% do nosso cérebro. À la Neil deGrasse Tyson, ele explica a evolução da espécie humana e contextualiza o que acontece com Lucy. O caminho dos dois se cruza quando ela tenta entender melhor sua nova inteligência e o que deve fazer, mas precisa lidar também com toda a gangue de coreanos engravatados que implantou a droga no seu corpo.

O Luc Besson funciona melhor quando trilha apenas um gênero, o de ação que você diz “ah, tá bom então”. Mas quando ele tenta ser Danny Boyle, as coisas ficam confusas. O início do filme intercala Lucy apavorada nas mãos dos coreanos com cenas de um cervo sendo caçado por guepardos. A montagem não era necessária, mas se ele escolheu fazê-la, sem problemas. O chato é que o estilo não se perpetua no restante do filme, que sofre com quebras de ritmo, edição e a falta de obstáculos, já que Lucy vira o casamento do Magneto com o Xavier. Em As Múmias do Faraó (Les aventures extraordinaires d’Adèle Blanc-Sec), filme dele de 2009, acontece a mesma coisa. Hora é um filme infantil, hora é adulto. Apesar dos pesares, Lucy é muito agradável de se assistir, e o motivo é um só: Scarlett Johansson!

Existe alguém neste mundo que não gosta da Scarlett Johansson? Ela consegue fazer muito bem a transição da garota desesperada para a máquina onipotente. É dela a função de dar unidade ao filme e ela torna muito fácil ao espectador gostar de sua personagem. É uma mulher de ação que não desce do Louboutin e ainda faz um filme do gênero bem superior ao demais lançamentos.

um oscar pros gays?

Hoje Eu Quero Voltar SozinhoO Brasil vai tentar a sorte no próximo Oscar com Hoje Eu Quero Voltar Sozinho (The Way He Looks é o título internacional), sobre dois adolescentes que se descobrem. Não é exatamente um filme panfletário, mas a tag gay pode ser aplicada. O filme do diretor Daniel Ribeiro é o que foi mais premiado este ano fora do Brasil e muito fácil de gostar. Portugal também vai submeter um filme de temática gay, o documentário E Agora? Lembre-me, de Joaquim Pinto. O documentário é uma autobiografia de Joaquim, que é portador do vírus HIV e de hepatite C há 20 anos. Hoje, o Canadá indicou Mommy, de Xavier Dolan. Mommy foi ovacionado em Cannes e ganhou o prêmio do juri. A França ainda não escolheu qual filme vai mandar para o combate, mas se for Azul É a Cor Mais Quente (que não pôde ter sido indicado este ano), então provavelmente vai ser um recorde de filmes com protagonistas gays na disputa pelo Oscar.

E só para ter mais um pouquinho de esperança: O Lobo Atrás da Porta se inscreveu para tentar uma indicação no Globo de Ouro. Raramente o cinema brasileiro lembra dessa premiação.

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho já está em DVD. Mommy estreia no Festival do Rio, na semana que vem.

marco polo está chegando

A Netflix está apostando alto. Além das produções originais House of Cards e Orange is the New Black, ela terá, pelo menos, mais duas séries de peso. Uma ainda não tem título e deve estrear em 2015, sob os cuidados dos criadores de Damages. Trata-se de um drama/thriller familiar com Kyle Chandler, Sissy Spacek, Linda Cardellini, Ben Mendelsohn e participações de Choe Sevigny. A segunda série é Marco Polo, que estreia em dezembro.

Sendo chamada de Game of Thrones na China do século 13, Marco Polo promete intrigas políticas, manipulações, batalhas e sexo como acontece na colega da HBO. Não apenas nisso ela está sendo comparada, mas também na escala da produção. Uma cidade, vilas e o palácio imperial foram construídos num estúdio na Malásia. Fora que a produção é dos irmãos Weinstein. Quem vive o mercador é o italiano Lorenzo Richelmy, estreando numa produção internacional.

As imagens abaixo me deixam na dúvida se a série vai ser muito boa ou muito cafona. Tinha calça de elástico naquele tempo? marco polo 2 marco polo 3 marco polo 4 marco polo

cabin fever

honeymoonVictor Frankenstein e Ygritte se casam e vão passar a lua-de-mel na cabana da família dela, num lago no Canadá. Os dois são fofos e apaixonados, tudo o que se espera de um casal recém-casado. Mas algo estranho acontece numa noite, e depois disso, a lua-de-mel vira um inferno. Harry Treadaway e Rose Leslie são Paul e Bea (confesso que vi o filme só por causa dos dois) em Honeymoon, terror psicológico da estreante Leigh Janiak. Depois de um encontro esquisito com um antigo conhecido de Bea, Paul acredita que ele os está espreitando do lado de fora da casa. A paranoia dele é real ou não, e isso Janiak mantém muito bem ao longo do filme, mas o que realmente acontece é que Bea é encontrada nua no meio da mata, como se tivesse acordado de uma crise de sonambulismo. A partir de então, Paul acha que seu comportamento mudou.

Honeymoon é um pequeno filme que impressiona pelo tom e andamento, não é inteiramente satisfatório, mas tem um final que sequer cogitei ao longo do filme. Harry Treadaway e Rose Leslie estão competentes como a gente conhece e espera que eles sejam. Vale dar uma olhada.

10 anos de lost

Acredito que Lost tenha sido a série que fez as pessoas olharem com outros olhos o que a televisão estava fazendo em 2004. Pelo menos por aqui, séries pararam de ser chamadas de “enlatados”. Foi nessa época que a televisão aberta americana viu que tinha que dar um passo para frente, impulsionada pelos sofisticados dramas da televisão paga, como Família Soprano e Six Feet Under, por exemplo. Não enxergo nenhuma imitação em Lost, pelo contrário, o que a série pegou das primas ricas foi a certeza de que para se contar uma boa história, é preciso ter personagens complexos e, claro, bons desenvolvedores. O telespectador estava pronto para receber uma produção que o propusesse se perguntar o que estava vendo.lost

Soube da série enquanto assistia o Globo de Ouro. Sua primeira temporada tinha acabado de ganhar o Globo de melhor série dramática. Menos de dois meses depois, ela estreou no AXN. O episódio duplo de estreia me prendeu de tal maneira que nem vi o tempo passar. Foi o suficiente para eu gravar a primeira temporada numa fita VHS e fazer a família toda ficar viciada. É verdade que a série se complicou muito e encontrou saídas não muito interessantes que não satisfizeram 90% dos fãs, mas eu faço parte do pequeno grupo que realmente amou o seu final. Nesses 10 anos de Lost, estes foram meus momentos que mais me marcaram.

Quando Sawyer era babaca

Sawyer Harry Potter

A morte do Boone. Chorei e passei a odiar o Locke. 

Quando a Escotilha deu sinal de vida

O esperado e demorado beijo entre Kate e Sawyer. Porque eu sempre fui TeamSawyer em tudo. 

A kombi do Hurley. Não aconteceu nada de relevante em Tricia Tanaka is Dead, mas adorei ver o rolezinho. 

Desmond e Penny. The Constant, um dos meus episódios preferidos. 

Not Penny’s boat. Muitas lágrimas. 

A morte da Alex. Chocado. 

Sawyer/James e Juliet. ❤ 

I love you, Sun

We have to go back

The end. Eu não consigo odiar este final. Odiei a parte do templo, do japonês e toda aquela lenga lenga, mas adoro a cena final. Para alguém que já perdeu muita gente, é realmente reconfortante e emocionante. 

E para reafirmar meu amor pelo Sawyer

 

 

o que está acontecendo com este blog?

Todo dia eu abro o WordPress pensando em escrever um post super bacana. O pobrema é que não vem ideia alguma! Aí eu penso em escrever sobre algo que vi, mas as séries estão de férias e nos cinemas… bem, acho que a lista do Rotten Tomatoes nunca foi tão verde!Bom, vou forçar minha cabeça mais um pouco. Mas domingo que vem tem The Good Wife!