a beleza de true detective

true detectiveEu não sei porque perco meu tempo lendo estas matérias sobre a nova temporada de Mad Men, o Matthew Weiner nunca revela nada e nenhuma teoria acerta coisa alguma. A Megan tá pra morrer há duas temporadas, por exemplo. Bom, se você quiser tentar encontrar alguma pista, a matéria da Vanity Fair está aqui. Então eu prefiro falar de True Detective, que acabou domingo passado.

Difícil falar, pois a série é tão linda e exata que dizer qualquer coisa a mais parece besteira. Mesmo sendo uma série sobre investigação, a delícia de ver True Detective não foi ficar ansioso em saber quem era quem, mas ver como aquela história de mil versões foi contada. Foi a história de 1995, de 2002 e de 2012 na Lousiana perigosa, selvagem e bucólica de Nick Pizzolatto. Que fotografia e que direção do Cary Fukunaga! Fora as atuações paranormais de Matthew McConaughey e Woody Harrelson.

O prazer de ver uma história sendo bem contada é tão bom quanto saber que muita gente também curtiu. Um sinal de que há um público voraz por produções de alta qualidade. O último episódio congestionou o canal de streaming da HBO. Foi a série com melhor audiência na primeira temporada desde 2001, quando a magistral Six Feet Under foi exibida.

Agora o Pizzolatto vai ter que se virar para fazer uma segunda temporada tão boa ou melhor. Enquanto isso a gente vai cortando latinha de cerveja.

Em entrevista, Pizzolatto disse que planeja escrever mais sobre Rust e Marty, mas isso só vai acontecer quando Hollywood não o quiser mais.

Anúncios

2 comentários em “a beleza de true detective”

  1. Acho que poucas séries conseguiram entregar tantos pontos altos como esta. Não teve um episodio ruim, pois mesmo os mais parados ou “fracos”, ainda foram melhores que quase tudo que vi nos ultimos tempos. Foi legal se envolver na historia e perceber como este formato não permitiu enrolação. Fora que foi genial a maneira de mostrar uma investigação através de uma historia contada. Corta toda a enrolação que vemos numa série como The Killing por exemplo, já que se foca apenas no que foi importante.

    1. Eu adorei este formato menor de temporada. No caso de True Detective, foi o ideal, pois todos os episódios foram escritos pelo Pizzolatto e dirigidos pelo Fukunaga. Obrigado, HBO!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s