laços de família

album de familiaTracy Letts é um premiadíssimo autor que teve três peças suas adaptadas para o cinema. Por August: Osage County, ele ganhou o Pulitzer de melhor drama, em 2008, e também escreveu o roteiro da adaptação, assim como fez com Possuídos e Killer Joe, suas outras adaptações. Em comum, estes três filmes têm uma carga dramática (e violenta, no caso de Killer Joe) asfixiante. Chega a ser exaustivo. Mas no caso de August: Osage County, ou Álbum de Família, uma história familiar em que a lavagem de roupa suja acontece após o sumiço do patriarca, as coisas ficam alguns tons acima do recomendado. Inclusive a Meryl Streep.

A família Weston está esmigalhada. Violet (Streep) e Beverly (Sam Shepard) tem um casamento difícil e cheio de ressentimentos, agravado pela doença, vício e personalidade de Violet. Quando Berverly desaparece, as filhas Barbara (Julia Roberts) e Karen (Juliette Lewis) voltam para a casa da família, onde encontram a irmã Ivy (Julianne Nicholson), a única que ficou na casa vazia. Desse encontro até o final do filme, segredos são revelados, amarguras vêm à tona e todo mundo dá patada em todo mundo. O clímax é quando Barbara ataca a mãe, o pôster do filme.

Dizer que a Meryl Streep não está bem seria uma mentira, mas ela está, sim, acima do tom. Quem brilha mesmo é Margot Martindale, que faz a irmã de Violet. Ela tem ótimas cenas com Streep e Chris Cooper, que faz seu marido. Os outros nomes do dream team têm participações pequenas, o que é uma pena, pois são, nada mais nada menos, que Ewan McGregor e Benedict Cumberbatch (num papel bem diferente do de costume).

O curioso é que McGregor estava no elenco da adaptação de As Correções, que tem um enredo parecido. Mas infelizmente a HBO cancelou o projeto após avaliar o piloto. Depois de ver Álbum de Família, meu desejo de um bom drama familiar só aumentou. Salve Six Feet Under!

rapidinha nos bastidores – foi sem querer

Quando pequenos (ou grandes) imprevistos se tornam o diferencial num filme.

O Senhor dos Anéis: As Duas Torres. Quando Aragorn (Viggo Mortensen), Legolas e Gimli encontram o monte de corpos de orcs, eles presumem que Pippin e Merry estão mortos. Com raiva, Aragorn chuta um capacete e grita intensamente. No entanto, Mortensen chutou um capacete de ferro e quebrou um dedo. Seu grito foi de dor e a cena continuou, pois Peter Jackson só soube do ocorrido depois.

Indiana Jones e os Caçadores da Arca Perdida. As filmagens na Tunísia deixaram toda a equipe do filme doente. Harrison Ford teve diarreia e estava pouco disposto, então ele sugeriu encurtar radicalmente uma cena que envolvia uma longa sequência de luta. 

O Poderoso Chefão. Houve muitas improvisações durante as filmagens do filme. Desde o gato que subiu no colo de Brando e enriqueceu o lado humano de Don Corleone, até a cena em que Montana decide pedir bênção. O ator, Luca Brasi, estava tão nervoso em contracenar com Marlo Brando que começou a tremer e se mostrar ansioso. Coppola gostou do nervosismo de Brasi e decidiu escrever uma cena de Montana ensaiando o discurso para justificar o nervosismo.

Os Suspeitos. Todo mundo estava sério, concentrado em fazer uma cena-chave. De repente, os atores começaram a rir, até o sério Gabriel Byrne. Benicio del Toro tinha soltado um pum. Bryan Singer, o diretor, quase disse “corta”, mas viu que as risadinhas melhoraram a cena.

Laranja Mecânica. Kubrick trabalhava há dias na sequência em que Alex e sua gangue invadem a casa do escritor e não estava satisfeito. Até que ele perguntou a Malcolm McDowell se ele sabia cantar e dançar alguma música. A música de Cantando na Chuva foi a primeira em que ele pensou.

Tubarão. Todo mundo diz que o trunfo do filme foi ter sugerido mais que mostrado. O boneco animatronic do Tubarão era tão ruim e desengonçado que esta foi a única solução. Na verdade, quem não deixou Tubarão virar um filme b foi a editora Verna Fields, que ganhou um Oscar pelo filme.M8DJAWS EC001

Taxi Driver. “You talking to me?”, uma das falas mais conhecidas do cinema, na verdade, foi um improviso de De Niro. O roteiro dizia apenas que Travis falava consigo mesmo enquanto se olhanva no espelho. De Niro perguntou ao roteirista o que Travis falaria, e ele respondeu que Travis era como um garoto brincando com uma arma e dando uma durão. De Niro disse que a fala veio de um rapper comediante da época.

Garfield. Recentemente, Bill Murray contou a história mais engraçada de todos os tempos: por que ele dublou Garfield. Ele inicialmente achou que o roteiro tinha sido escrito por um dos irmãos Coen, Joel Coen. Só depois de ter assinado contrato e começar o trabalho de dublagem que ele viu que algo estava errado. O roteirista era Joel Cohen.garfield

notícias do mundo pop

Furo de reportagem. Segundo minha guru Ana Maria Bahiana, Ben Affleck não será mais o Batman. A Warner deve se pronunciar em dentro de alguns meses, tempo suficiente para encontrar um substituto e justificar a saída como “diferenças criativas” ou, o mais provável, “conflito de agendas”, já que o lançamento do filme foi adiado de 2015 para 2016 com a genérica justificativa de dar mais tempo ao diretor e produtores.

A saída de Affleck é uma consequência da rejeição do público. Por mais que a Warner negue e não admita, ela não pode contrariar justamente o público alvo deste filme. O nome mais cotado para substituir Affleck é Josh Brolin, na verdade, a primeira escolha para o papel. Mesmo não querendo participar por causa da presença de sua ex-mulher, Diane Lane, Brolin estaria recebendo mimos e mais mimos da Warner. Michael Keaton também estaria na disputa.

A outra notícia que deixou todo mundo em rebuliço é a edição brasileira da Comic-Con em São Paulo. A Comic-Con Experience vai acontecer entre os dias 4 e 7 de dezembro no Expo Imigrantes e deve contar com a participação dos principais estúdios e produtoras: Warner, Fox, Universal, Sony e Disney.

Preços, programação e participações ainda serão divulgados.

matilha de sarnentos

lobo de wall streetJordan Belfort (Leonardo Dicaprio) era apenas um jovem de 22 anos quando chegou em Nova York. Ambicioso, começou a trabalhar para conseguir a licença de corretor de investimentos, e quando finalmente conseguiu, a economia norte-americana foi pro vinagre. Sem saber o que fazer, foi trabalhar num pequeno escritório que negociava ações de empresas de fundo de quintal. De lá, onde as ações valiam alguns poucos centavos, ele abriu o seu próprio escritório. E em pouco tempo, voltou a Wall Street com uma legião de seguidores numa rotina de excessos.

A notoriedade veio com uma matéria difamatória da Forbes, mas o efeito foi contrário. Jordan se tornou uma lenda, um líder. O homem que em poucos anos fez uma fortuna com fraudes e todas as falcatruas possíveis. Esta é a história de O Lobo de Wall Street, a adaptação da autobiografia de Jordan e roteirizada pelo Terence Winter. Ah, a direção é do Martin Scorsese, completamente despudorado e divertidíssimo.

É meio estranho dizer que um filme do Scorsese é divertido, mas este realmente é. Durante as três horas de duração, o que não falta é humor. De arremesso de anões até uma vela na bunda – DiCaprio nunca mostrou tanto a bunda, e passando por consequências de drogas da pesada. E falando em DiCaprio, ele está espetacular! Há ainda Jonah Hill brilhando no papel do braço direito de Jordan. Adicione também a fotografia, a trilha sonora e a fantástica edição.

Bom, se as três horas de duração te assustaram, aqui vai um incentivo:

– 3 horas de Scorsese sendo Scorsese.

– DiCaprio fazendo misérias e um elenco coadjuvante de ouro (incluindo o onipresente Matthew McConauhey, Kyle Chandler e Jean Dujardin). E tem ainda a belíssima Margot Robbie.

– A participação especial de três diretores: Rob Reiner, Jon Favreau e Spike Jonze – meu coração bateu mais forte quando o vi. E ele está engraçadíssimo.

– São 3 horas fora do calor, no ar condicionado.

Eike loucura!

blue valentine

alabama monroeThe Broken Circle Breakdown é o nome da banda dos protagonistas de Alabama Monroe, e também é título original desse filme belga indicado ao Oscar. Aqui no Brasil, e também em outros países latinos, ganhou esse outro título, que me deixou com a sensação de ser a pessoa mais ignorante do mundo por não saber por quê. Mas calma, Alabama Monroe se explica no final.

É um filme muito bem escrito e sua edição é ainda melhor, pois conta de forma não linear a história de um casal e como a doença da filha degrada a relação dos dois. Didier (Johan Heldenbergh) conhece Elise (Veerle Baetens, excelente) e os dois passam a morar juntos na fazenda dele. O casal é estranho, ele ama a cultura estadunidense e é um cowboy sem glamour, com barba descuidada e dentes tortos. Já ela tem o corpo todo tatuado e parece ser mais de uma banda punk. No entanto, os dois são como um um casal qualquer, que briga por coisas bobas e gosta de fazer pequenas surpresas. O que os conecta mesmo é música country (bluegrass, pra ser mais exato) e são vocalistas da banda citada no primeiro parágrafo (a trilha é ótima).

Quando Maybelle é diagnosticada com leucemia, a história ganha um outro contorno. O diretor Felix Van Groeningen não deixa a história cair no puro sentimentalismo, mas não é bom contar tudo. Nem dá. É um filme belo e tristíssimo, não é para todo mundo. Vacila apenas na metade final, com o discurso de Didier (poderia ter sido mais sutil) e o toque de Walcyr Carrasco no finzinho, mas não chega a atrapalhar.

pelos motivos errados

A Record está exibindo Breaking Bad e anda meio desesperada porque a audiência não está respondendo. No entanto, Breaking Bad na Record é um sucesso na internet, mas pelos motivos errados. Saca só:

De ficar com dor de barriga.

cof cof cof

E no Twitter o povo da Record tá na base da metanfetamina azul:

Vixi. Agora vai ficar tenso PRA DEDÉUI! Walter com sangue nos olhos. Ou melhor. Heisenberg :O #BreakingBad.

O vaquinha faz mu-mu
O cãozinho faz au-au
Não perca #BreakingBad – A química do mal

Mais respeito, por favor! Breaking Bad nunca foi tão trágica.

bruxas e mais serial killers

Those Who Kill é a nova série da A&E. Chloë Sevigny faz uma detetive na cola de serial killers, mas o que lhe assombra mesmo é o desaparecimento do seu irmão, quando ela tinha 16 anos. O caso nunca foi solucionado., mas ela está convencida de que o culpado é seu padrasto, um juiz. A A&E não costuma fazer séries de babar, algumas são bem cafoninhas, mas esta parece ter mais sustância. A série estreia no dia 3 de março.

Notícias de Salem circulavam há bastante tempo, mas só agora saiu o primeiro trailer. Como diz o nome, Salem conta a história da famosa caça às bruxas na cidade, no século XVII. A série é a primeira produção original do canal WGN e estreia dia 20 de abril. Não é o Robb Stark.