quando a tv é de primeira

Chegadas e Partidas é um dos programas que mais gosto na televisão. É uma fórmula simples: são histórias de despedidas, reencontros e mudanças, mas depende muito dos personagens e, principalmente, da apresentadora. Astrid é velha de guerra, sabe que ao entrevistar uma pessoa, ela deve primeiramente ouvir. E ela sempre chega sem nenhum alarde, sem firulas, e de cara já consegue a simpatia da pessoa. Tanto que, na grande maioria das vezes, elas contam suas intimidades e esquecem completamente das câmeras. Mérito também da direção.

No programa que vi esta semana, o moçambicano Samuel aguardava ansiosamente a chegada da filha, que vinha com a mãe e a avó para um tratamento cardíaco. Apesar de tudo ir contra e a menina precisar de um transplante, o pai tentava ser esperançoso. Naquele momento, ele só queria ver e abraçar a filha. A espera na boca do desembarque durou muito tempo, até que uma funcionária do aeroporto pediu para que ele a acompanhasse até uma sala nas entranhas de Guarulhos.

Astrid foi junto. Ela já não era mais apresentadora nem jornalista, era a pessoa que queria, de algum jeito, ajudar e dar algum conforto. Gente vai, gente vem, Samuel viu que tinha algo muito errado. Astrid tentou convencê-lo a não sofrer antes da hora. O programa acabou com Astrid saindo da sala, muda e perplexa, deixando implícito o final triste.

Numa televisão em que o sensacionalismo é gratuito, Chegadas e Partidas é a mais poderosa das doses de dignidade. Mostra o humano e emociona, sem apelação ou suspense barato. Não à toa é uma unanimidade e os telespectadores não deixam o programa acabar. No comando também do Saia Justa, Astrid é a melhor apresentadora da televisão brasileira – ganha disparado!

Anúncios

Um comentário em “quando a tv é de primeira”

  1. Fiquei pensando nessa historia. Sou jornalista e acabamos sendo treinados a aceitar q jornalista bom vira estrela, seja pelas palavras ou pela imagem. Nao devia ser assim. Primeiro, temos de entender a responsabilidade de lidar com a vida alheia, o problema do outro. E os impactos q isso ger.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s