o leão e a pombinha

Não foi épico. Foi foda. Proporção de Abismo de Helm, mas as cenas off batalha foram mais incríveis, sessões de psicanálise com Tyrion, Varys, Cersei, Sansa e Shae. Crédito também do diretor Neil Marshall, de Abismo do Medo e Centurião. Peter Dinklage = ídolo!

Anúncios

moralmente carnal

Durante um bom tempo eu tentei ver Sede de Sangue, filme do sul-coreano Chan-Wook Park, o mesmo da trilogia da vingança – Mr. Vingança; Oldboy; Lady Vingança – e finalmente eu consegui. A única coisa que posso dizer é que é bizarro, em todos os seus aspectos, mais até que Oldboy e sua cena com o polvo, e é muito bom.

Não que eu seja um especialista em filmes coreanos, mas todos que vi até hoje conseguem transitar sem receios por diversos gêneros de uma só vez, e Sede de Sangue é um drama/comédia/romance/surrealismo/suspense, e o que amarra tudo é o humor negro. A história é sobre um padre que já está cansado de dar a extrema-unção e decide ser voluntário de uma experiência secreta que tenta desenvolver uma vacina que cure uma doença terrível e letal. O padre é infectado pelo vírus, sabe que a morte é iminente e morre, mas ele “ressuscita” com uma transfusão de sangue. Um bom tempo se passa e ele vira um vampiro (sim, um vampiro) ao mesmo tempo em que começa a ser tratado como santo milagreiro por ter sido o único a sobreviver da tal doença.

O padre acaba reencontrando uma menina órfã que ele conheceu quando criança e os dois se sentem atraídos. Esta menina, que foi adotada por uma mulher para ser sua empregada e mais tarde casou com o irmão adotivo para virar sua escrava sexual, não suporta sua vida (também pudera!) e vê no padre um refúgio. Ele acaba sucumbindo ao pecado da carne e sua sede por sangue – ele precisa de sangue para que a doença não volte – e encontra, para ele, justificativas morais para seu novo comportamento. As coisas mudam quando… é melhor eu parar, pois o filme funciona como uma progressão.

O interessante do filme é que apesar de ser totalmente carnal, explícito, com muito sangue, fetiches e sexo, ele é moralista. Bastante moralista. Alguns podem dizer que se trata de uma metáfora religiosa, mas não é para tanto. Conhecendo os outros filmes de Park, a gente sabe que o interesse dele não é bem esse, o que ele quer é dar redenção aos seus personagens.

Sede de Sangue é um filme de 2009 e depois dele, Park dirigiu apenas dois curtas. Este ano ele faz seu début no cinema americano, e com um filme não escrito por ele (mas pelo Wentworth Michael Scofield Miller). Stoker ainda não tem data de estreia definida.

as 20 séries mais cool

O Short List (que eu amo de paixão) fez uma lista com as 50 séries mais cool que a televisão já produziu. As 20 mais recentes estão aqui, e no momento em que eu me preparo para corrigir erros (finalmente vou ver Luther), eu peço comentários caso vocês já tenham visto algumas delas.

Portlandia. Série que começou em 2011 com Fred Armisen e Carrie Brownstein. Ambos fazem diferentes personagens em esquetes que satirizam a cultura hipster e contam sempre com uma participação especial. É como um Saturday Night Live, mas menos “artificial”.

How to Make It in America. É uma dessas séries do meu coração e que só teve duas temporadas. Já falei dela aqui. Resumindo, é sobre dois jovens sem muito dinheiro, experiência nem contatos que tentam entrar no mundo da moda de Nova Iorque. Entre uma porta na cara e um sucesso, festinhas, jantares e romances mal resolvidos.

Community. Tenho dificuldade para ver comédia na tv. Não que sejam ruins, o problema é comigo, por mais que eu goste, não consigo dar continuidade. Vi alguns episódios avulsos de Community e só posso dizer que é preciso embarcar no estilo absurdo/nonsense para conseguir gostar da série.

Bored to Death. É também meio nonsense, mas é boa! É uma comédia noir com personagens excêntricos.  Jason Schwartzman, Zach Galifianakis e  Ted Danson se divertem resolvendo mistérios de detetives não tão misteriosos assim.

Misfits. Nunca vi. Devo me envergonhar? Já me venderam como “tipo Heroes”, nem quis ouvir o resto. Depois me disseram que não tem nada a ver.

Eastbound & Down. Outra que nunca vi. Disseram que é hilária, mas eu não gosto do Danny McBride.

Party Down. Foi bem badaladinha em sua época, mas eu não cheguei a ver. É sobre atores que trabalham com serviço de buffet para pagar as contas e odeiam isso.

Breaking Bad. Acho que a única série que eu preciso estar no clima para conseguir assistir. É excelente, uma das melhores séries da atualidade, mas eu não amo de coração. Bryan Cranston e Aaron Paul brilham em seus papéis.

Mad Men. Preciso comentar?

Flight of Conchords. Eu vi um ou dois episódios e não consegui gostar. Dois músicos neozelandeses tentando a sorte em Nova Iorque. A série é auto depreciativa, tem uma estética estranha… não fui com a cara.

Life on Mars (UK). Um policial é atropelado em 2006 e vai parar em 1973. Em sua nova situação, ele precisa lidar com os recursos da época, mas o pior são os seus companheiros de trabalho. Durante 2 temporadas, a gente se questiona o tempo todo como ele foi viajar no tempo. Série classe A.

30 Rock. Apesar de não acompanhar regularmente, já fiquei com dor na barriga de tanto rir. Você vê, ri e depois acha que a Tina Fey é a mulher mais inteligente do mundo.

The IT Crowd. Na mesma categoria de Flight of Conchords.

Nathan Barley. Nunca vi nem ouvi falar.

Deadwood. Faroeste não é o meu forte, mas Deadwood está na minha lista de Top 5 de melhores séries ever. É suja, carismática, quente, engraçada, inteligente e apaixonante. Ian McShane não conseguirá outro papel como Al Swearengen.

Arrested Development. Hilariantemente inteligente. Genial! É uma série que consegue juntar uma trama de espionagem britânica com Godzilla num mesmo episódio. Juro, melhor comédia já feita (e esta eu vi todinha e ainda tenho os DVDs).

State of Play. Se você viu o filme Intrigas de Estado, saiba que ele é uma adaptação desta série de uma temporada. É nata da nata. John Simm, David Morrissey, Bill Nighy, Kelly Macdonald e James McAvoy no elenco. Eu recomendo!

Firefly. Alguém viu?

The Wire. Eu tenho vergonha de nunca ter visto The Wire. Alguns a consideram a melhor série já produzida.

Six Feet Under. Simplesmente a melhor série já feita na Terra – na minha modesta opinião. A família Fisher + Brenda e Billy mudaram minha visão e percepção sobre a morte. Cada um dos personagens virou um amigo querido – menos a Maggie – e foi extremamente doloroso me despedir deles. Se você quer saber o que é uma série inteligentemente bem escrita, com uma direção sensível e um elenco perfeito em seus papéis, veja Six Feet Under. É mais que cinema, mais que um bom livro.

segundo pulo na croisette

Festival de Cannes chegou ao fim com a grande vitória de Amour, mais um prêmio para Michael Haneke. Mas quem levou o de direção foi o mexicano Carlos Reygadas – reações controversas. Cosmina Stratan e Cristina Flutur, ambas de Beyond the Hills, dividiram o prêmio de atriz e o filme também ganhou na categoria roteiro. Mads Mikkelsen, de The Hunt, levou o prêmio de ator. A decisão do juri, presidido por Nani Moretti, foi vista como justa (menos na categoria direção), mas também como xenófoba por esnobar filmes americanos de grande qualidade (leia-se Mud, The Paperboy, Killing Them Softly e Cosmopolis). Esta “injustiça” pode ser facilmente corrigida no Oscar e Globo de Ouro. De qualquer forma, seja lá qual fosse o resultado, não seria uma unanimidade. O primeiro pulo pode ser lido aqui.

The Paperboy. De Lee Daniels (Preciosa), o filme foi muito bem aceito pelo público, que elogiou, sobretudo, a atuação de Nicole Kidman. Ela faz uma mulher louca que se corresponde com presidiários na Flórida de 1969. Apaixonada por um detento condenado à morte (John Cusack), ela acredita que ele é o homem de sua vida e assim mobiliza dois irmãos jornalistas (Matthew McConaughey e Zac Efron) para provar a inocência de seu homem. Zac Efron e Macy Gray também foram bastante elogiados. Louco para ver Nicole Kidman versão piriguete.

Na Estrada. O filme de Walter Salles dividiu opiniões. Alguns acharam superficial e bobo, e outros classificaram como “lírico”, “sensorial”. De qualquer forma, as atenções foram todas para Kristen Stewart e Garret Hedlund. Ela protagonizou cenas sensuais de nudez que aqueceram uma Cannes mais pudica este ano. Ele está bem cotado para o prêmio de melhor ator. Na Estrada estreia no Brasil no dia 13/07.

Io e Te. Bertolucci mais uma vez dirige uma história com jovens como protagonistas. Desta vez, ele conta a história de Lorenzo, um adolescente solitário que prefere a companhia de suas formigas de estimação a contato com outros seres humanos. As coisas mudam quando ele dribla a mãe e passa uma semana trancado no porão fazendo apenas o que gosta – ouvindo música, lendo gibis e cuidando das formigas -, só não contava que sua meia-irmã viciada em heroína também procuraria o porão como abrigo. A imprensa teve uma reação indiferente ou decepcionada, mas Bertolucci é Bertolucci.

Killing Them Softly. Brad Pitt faz um mercenário contratado para capturar dois ladrões que assaltaram uma casa de jogos ilegais da máfia. O filme ganhou elogios generalizados pelo humor ácido, pelas pontuações sobre a decadência da economia americana e, claro, Brad Pitt.

The Hunt. Elogiadíssimo, The Hunt fala da paranoia que acusa uma pessoa de pedofilia apenas por estar perto de uma criança. Mads Mikkelsen faz um professor acusado de pedofilia depois que uma aluna, Klara, de 5 anos e que nutre uma paixão por ele, se “vinga” dizendo que ele a tocou. A acusação acaba ganhando dimensões destrutivas. O filme é dirigido por Thomas Vinterberg, que diz ter se baseado em casos reais acontecidos na Dinamarca. Prêmio de Melhor Ator para Mads Mikkelsen.

Amour. Michael Haneke está de volta depois de ter ganhado a Palma de Ouro em 2009 por A Fita Branca. Agora ele foca suas atenções num drama sobre o peso da idade para um casal. Amor, velhice, doença e morte. Vencedor da Palma de Ouro.

Cosmopolis. Também dividiu opiniões, mas quem gostou, gostou muito. É pesado, forte e extremamente lúcido. Robert Pattinson (bem elogiado) faz um bilionário que cuida de sua fortuna de dentro de uma limusine branca equipada com aparelhos médicos, sistema de telecomunicação, frigobar, divã e cama. Cenas com longos diálogos e até um exame de próstata. Não é para fracos. Ah, sim, é do David Cronemberg.

Beasts of the Southern Wild. Foi o filme sensação de Sundance e repetiu o nível de “queridice” no balneário. Estreia do diretor Behn Zeitlin e é uma fábula mágica sobre uma família nas cheias de Nova Orleans. Prêmio Camera D’or.

Mud. O filme mais aplaudido do festival. Matthew McConaughey (again) faz um assassino fugitivo que recebe a ajuda de dois adolescentes para sobreviver na cheia do rio Mississippi. É também uma fábula, cheia de causos fantásticos. O objetivo de Mud é reencontrar sua amada, vivida por Reese Witherspoon. Direção de Jeff Nichols.

Post Tenebras Lux. A polêmica do festival e também o mais vaiado. Não pelo tema, mas pela qualidade questionável. Grande parte dos críticos simplesmente detestou o filme e não entendeu por que foi selecionado para a mostra competitiva. Dirigido pelo mexicano Carlos Reygadas (Luz Silenciosa), um “queridinho” de Cannes, o filme conta a história de Juan, que se muda para uma cidade do interior do México com sua mulher e filhos. Num vai-e-vem fantasioso e com imagens desfocadas, tem até direito a um diabo sorrateiro. Prêmio de Melhor Diretor.

mad men – curiosidades

Há cinco temporadas que Mad Men acumula elogios e prêmios. Seus personagens já estão mais que consolidados, viraram ícones, mas também há muitas curiosidades sobre a série. Abaixo estão algumas delas.

– O primeiro rascunho de Mad Men foi escrito por Matthew Weiner em 2000. David Chase leu e convidou Weiner para fazer parte da equipe de Os Sopranos. Com o fim da série, o roteiro do piloto foi apresando para a HBO e Showtime, mas nenhum dos canais se interessou. A AMC procurava um projeto para ser sua primeira produção original e acabou comprando a série.

– O piloto foi inteiramente gravado em Nova Iorque e custou 3 milhões de dólares. Os outros episódios foram/são rodados em Los Angeles. Cada um custa entre 2 e 2,5 milhões.

– O personagem Don Draper foi parcialmente baseado no diretor de criação Draper Daniels, que trabalhava para a agência Leo Burnett nos anos 1950 e quem criou o Cowboy Marlboro. Mas o perfil profissional e criativo foi inspirado no publicitário Rosser Reeves. No final de sua carreira, Reeves escreveu um artigo pró-tabaco para um revista, financiado pelo Tabacco Institute (criado para dizer coisas boas sobre o cigarro). Na série, após perdar a conta da Lucky Strike, Don escreve uma carta antifumo.

– John Slaterry fez testes para o papel de Don. Jon Hamm precisou fazer 7 testes para conseguir o papel.

– Na série, Roger e Mona se separaram. Na vida real, John Slaterry e Talia Balsam estão casados há 14 anos.

– Glen, o ex-vizinho de Betty e Sally, é interpretado por Marten Holden Weiner, filho de Matthew Weiner.

– É proibido que atores fumem cigarro em sets de filmagem, logo, o elenco da série fuma cigarros de ervas, que eles reclamam ter um cheiro pavoroso.

– A câmera costuma ficar abaixo da linha dos olhos. Então os cenários foram projetados para que trilhos pudessem ser montados.

– A música de abertura foi feita pelo músico RJD2 e se chama Beautiful Mind. Ela pode ser ouvida na íntegra aqui.

– Quatro atores já interpretaram Bobby, o filho do meio de Don. Maxwell Huckabee foi substituído por Aaron Hart no final da primeira temporada. Com isso, Aaron foi o ator mais jovem a ganhar o SAG. Jared Gilmore assumiu o papel no início da terceira temporada e agora é a vez de Mason Vale Cotton.

– Em todo início de temporada, Peggy repete uma roupa da temporada anterior. Já virou uma tradição da figurinista Janie Bryant.

– Quando o piloto foi gravado, a atriz que ia interpretar Trudy ainda não tinha sido escalada. Na cena em que Pete conversa por telefone com a mulher, a foto em seu porta retrato é da mulher de Weiner.

– Weiner esclareceu alguns pontos da série. O filho que Peggy teve com Pete foi realmente entregue para adoção, e não criado pela irmã de Peggy, como ficou parecendo. Também na primeira temporada, quando Glen é deixado sob os cuidados de Betty e ele a vê no banheiro, não foi por acidente. Glen realmente queria ver Betty no banheiro. Weiner contou que fez o mesmo quando era criança.

– As fotos usadas neste post são do fotógrafo Richard Minchin.

moulin rouge art déco

Agora eu entendo o orçamento de 150 milhões de dólares e o 3D. Pelo trailer, Baz Luhrmann construiu uma Nova Iorque fantástica, imaginária e ilimitada, uma cidade 360° para contar o romance entre Gatsby e Daisy. É um Moulin Rouge com jazz e Jack White! Dia 4 de janeiro estarei no cinema.

Fora o trio ternurinha Leonardo DiCaprio, Carey Mulligan e Tobey Maguire, o filme conta com dois coadjuvantes de primeira: Joel Edgerton (Guerreiro) e Jason Clarke.

é hora de falar andando

Eu falo tanto e tão bem da HBO que o povo de lá decidiu fazer uma homenagem ao blog personalizando o poster de The Newsroom com o mesmo azul e preto! Uau! Eu amei, pois aguardo ansiosamente pela série. Aaron Sorkin, personagens em diálogos afiados com falas quilométricas enquanto atravessam um corredor de 30 metros, Jeff Daniels, Emily Mortimer… vai ser renovada assim que estrear!

é brincadeirinha, tá! Eles nem sabem que o blog existe.

Atualização. Não, alguém lê este blog, sim. Com toda a certeza. O Los Angeles Times disse que Smash sofrerá grandes mudanças na segunda temporada, como a saída de 4 personagens: Dev, Ellis, Frank e Michael. Eles retornarão apenas para fechar suas participações. Sério, eles leem as minhas críticas!

a inveja mata

O Virgílio entrou neste blog meio que sem querer e deixou o endereço de seu Tumblr. Humano como sou, me retalho de inveja toda vez que faço uma visita. Não só porque ele está viajando lindamente por Milão (cada foto é espetacular) e visitou a Villa Necchi Campiglio, que serviu de locação principal para o filme Um Sonho de Amor, mas também porque tenho quase certeza de que ele tem talento de jardineiro e consegue fazer orquídeas florescerem dentro de casa – e isso, meus caros, é uma frustração para mim. E nem dá para culpar o clima do Rio de Janeiro, conheço gente que fica com a varanda florida duas vezes por ano sem dar qualquer tratamento especial. Pois é, tenho Complexo de Martha Stewart.

Inveja confessada e destilada, agora afaste objetos cortantes (só por precaução) e corra para o Tumblr dele.

A outra inveja que sinto é dos votantes do Emmy e pessoas que ganham “brindes” de filmes e séries como lembrancinha para as premiações, o famoso For Your Consideration. Olhem os kits Showtime e HBO deste ano para o Emmy. Abaixo, os episódios submetidos ao Emmy.

Californication – episódios 5×01, 5×12
The Big C – episódios 2×09, 2×13
Homeland – Piloto, 1×07
Inside Comedy – programas 1×04, 1×05
Nurse Jackie – episódios 4×04, 4×05
Weeds – episódios 7×06, 7×13
U2: From the Sky Down
Rebirth
Keep a Child Alive with Alicia Keys

Comédia:

Angy Boys – episódios 6, 7, 12
Bored to Death – I Keep Taking Baths Like Lady Macbeth; Two Large Pearls and a Bar of Gold

Curb Your Enthusiasm –  Palestinian Chicken;  Mister Softee; Larry vs. Michael J. Fox
Eastbound and Down – Episódios 14, 15, 16
Entourage – Home Sweet Home; Second to Last; The End
Enlightened – Piloto; The Weekend; Sandy
Girls – Piloto; Hannah’s Diary; Party of Weirdos a.k.a. The Crackident
How to Make It in America – I’m Good; Money, Power, Private School, Mofongo
Hung – Take the Cake; Are You Packing?; What’s Going on Downstairs; Don’t Eat Prince Eric; A Monkey Named Simian; “Frances Is Not a Fan
Mel Brooks and Dick Cavett Together Again
Nothing I Can’t Handle by Running Away
Ricky Gervais Show – Karl’s Day; Armed Forces; Law and Order
Life’s Too Short – Episódios 1; 2; 6

Veep – Piloto; Frozen Yogurt; Catherine

Drama:

Boardwalk Empire – Two Boats and a Lifeguard; Under God’s Power She Flourished
Game Change
Game of Thrones -The North Remembers; The Night Lands
George Harrison: Living in the Material World
Gloria: In Her Own Words / Sing Your Song
Hemingway and Gellhorn
I Can Be President: A Kid’s Eye View
The Loving Story
Bobby Fischer Against the World
Luck – Piloto, episódio 4
On Freddie Roach – Body Blow; The Wild Card; Counterpunch
Real Time with Bill Maher – 30/09/11 Seth McFarlane, Salman Rushdie, former Michigan Gov. Jennifer Granholm / 21/10/11 Rachel Maddow, Thomas J. Friedman, Joshua Green
True Blood – You Smell Like Dinner; Spellbound