dois garotos diferentes

Dois garotos nos esperam no cinema, ambos vindo de livros delicados e carregados de sentimento. O primeiro é Oskar, tem 11 anos e perdeu o pai o 11 de Setembro. Dois anos se passaram desde a queda das torres, a mãe começa a superar o luto, mas para ele ainda é difícil, já que é um inventor, astrofísico, estudante de francês, ator, design de jóia… Ao encontrar uma chave no meio dos pertences do pai, ele corre Nova Iorque atrás da fechadura que a tal chave abre. Extremamente Alto, Incrivelmente Perto foi escrito por Jonathan Safran Foer (Tudo se Ilumina) e é um dos únicos livros que me fez chorar. Para o cinema, ele é adaptado pelas habilidosas mãos de Stephen Daldry (Billy Eliott, As Horas, O Leitor) e estreia nos EUA no Natal, de olho na temporada de prêmios. No elenco estão Sandra Bullock, Tom Hanks, Viola Davis, James Gandolfini, Max Von Sydow, Jeffrey Wright e o estreante Thomas Horn como Oskar (um prodigiozinho que venceu um programa de perguntas e respostas). O roteiro é de Eric Roth (Forrest Gump, Munique, O Curioso Caso de Benjamin Button).

O outro menino é uma incógnita. Sensível como Oskar, mas agressivo e ambíguo. Kevin teve uma relação de estranheza com a mãe e esta relação é analisada depois que ele provoca um massacre na escola. Através de cartas ao ex-marido, Eva reflete sobre a gestação, a infância e a adolescência de seu filho. O livro virou um fenômeno mundial e o filme arrancou elogios no Festival de Cannes, sobretudo pela atuação de Tilda Swinton e Ezra Miller. A direção é da escocesa Lynne Ramsay e o roteiro foi co-escrito por ela com o estreante Rory Kinnear. O filme estreia em setembro na França e no início de dezembro nos EUA. Vale ficar atento na programação do Festival do Rio e a Mostra Internacional de São Paulo.

Anúncios

7 comentários em “dois garotos diferentes”

  1. Os três filmes de Daldry me emocionam, me arrebatam, me incomodam, me marcaram. Já que tem o livro, vou procurar compra-lo, uma vez que fiz o mesmo com As Horas e O Leitor. É um bom elenco, espero que o filme ganhe vários prêmios.

    Quanto ao outro, Tilda Swinton é fabulosa. Já vale o filme.

    1. Eu gosto muito do Stephen Daldry (3 filmes até agora e 3 indicações ao Oscar de direção). As Horas parecia impossível de ser adaptado. Tão íntimo, pessoal e reflexivo, 3 tempos distintos. Mas eu amo mesmo é o Billy Eliott!

      1. O filmezinho gostoso de se ver esse Billy Eliott, não?! Ansiosa pelo Kevin, o livro é de mais!

      2. O livro, As Horas, é um primor. E o filme, mesmo com as adaptações, manteve o intimismo, as emoções, a pulsão da obra escrita. Cada vez que revejo, algo pra/da minha vida salta. É impressionante.

        No entanto, eu tenho de discordar: dos três, amo mesmo As Horas.

        Sim, Daldry pra mim é 10: 3 filmes e 3 indicações. Quero ver quando virá o reconhecimento da Academia. Se virá…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s