logorama – parte 1

Dia desses estava vendo Ti Ti Ti (divertidíssima, por sinal) e vi que a maior parte dos personagens masculinos vestia Reserva ou Original Penguin. Não foi preciso ligar para a Central de Atendimento ao Telespectador para saber, bastou ver o logo do pica-pau e do pinguim nas roupas.

O logotipo é a representação gráfica de uma marca, o símbolo, pode ser simplesmente escrita por extenso, ou um desenho, uma letra etc. Pergunte a uma criança de três anos, que não sabe ler nem diferenciar batata de cebola, o que dois arcos dourados representam, ou o nome da bebida cujo rótulo tem o nome escrito de forma estilizada. Esse é poder de um logotipo e todo logotipo tem uma história.

Nestlé. O alemão Heinrich Nestlé se mudou para a Suíça em 1843, onde abriu uma farmácia. Vendia de tudo, desde fertilizantes até mostardas. Como a língua falada na cidade de Geneva era o francês, Heirich mudou seu nome para Henri Nestlé e passou a vender produtos derivados do leite. Em 1904 começou a produzir chocolate ao leite. E por que o logo é um ninho de pássaros? Porque Nestlé significa “pequeno ninho” e era um comércio de família para família.

Nike. Na década de 1960, Phil Knight fundou a Blue Ribbon Sports (BRS). Em 1971, ele queria lançar uma linha de tênis e pediu sugestões para a nova marca. O conceito veio da estudante de design gráfico Carolyn Davidson (que foi sua aluna), a asa da deusa grega da vitória, Niké ou Nice. Carolyn ganhou US$ 35 pela arte final, mas foi recompensada posteriormente pelo sucesso do logo. Uma asa abstrata que remete a movimento, determinação e ambição.

Coca-Cola. Todo mundo conhece uma função para o refrigerante. Serve para limpar a cena de um assassinato, como aderente para bailarinos não escorregarem, para explodir Mentos etc. Originalmente, foi um remédio inventado pelo farmacêutico John Pemberton. Mas quem escreveu Coca-Cola em tipo Spencerian foi seu contador, Frank Mason Robinson. Na época, em 1885, esta tipologia era bastante comum. Dizem que é o logotipo perfeito, os dois Cs dão distinção à marca, a escrita corrida em branco contra o fundo vermelho seduz, dá um ar de cool. Além do mais, a pronúncia em inglês faz a pessoa enrolar a língua. A marca é tão forte que só ela vale 44 bilhões de dólares (em 2007).

Google. A ferramenta de busca foi criada em 1996 pelos estudantes  Sergey Brin e Larry Page como projeto na universidade de Stanford. O logo foi criado por Ruth Kedar é muito simples, apenas o nome Google escrito em Catull, uma forma de dizer como usar o Google é fácil. Desde 1999, em dias comemorativos, o logo muda fazendo homenagens, os chamados Doodles. O responsável por elas é o designer Dennis Hwang.

Apple. O primeiro logo da Apple parecia rótulo de remédio ou selo de editora. Isso em 1976. Uma solitária maçã na macieira pronta para cair em cima da pessoa sob a árvore, tal qual Isaac Newton e sua Teoria da Gravitação Universal. O povo da Apple achou o logo muito complicado e mudou para uma maçã mordida, o fruto da tentação, da Árvore do Conhecimento. Como Adão e Eva, nós queremos esta maçã, mesmo não sabendo direito para que funciona.

Johnny Walker. Aos 15 anos, numa cidade do interior da Escócia, John Walker começou a vender whisky de boa qualidade na frente da loja da mãe. Quando ele morreu, em 1857, o whisly era o mais famoso do país. Os negócios foram herdados pelo filho Alexander, mas foi seu irmão George quem introduziu o cavalheiro caminhante e os labels. George pediu ao cartunista Tom Browne que desenhasse a imagem de um andarilho e que casasse com a qualidade do whisky. Dizem que é a caricatura de John Walker, mas há quem conteste. Junto do logo, os irmão adicionaram a frase “keep walking”, usada até hoje.

Lacoste. Rene Lacoste venceu o campeonato de Wimbledon em 1925 e 1928. Na época, os tenistas vestiam uma camisa branca bastante desconfortável de colarinho apertado, até que Lacoste criou uma camisa bem mais flexível e apropriada – que resultou na famosa pólo. Rene fez uma aposta com o capitão da equipe francesa na Copa Davis, se ele ganhasse, o capitão lhe daria uma maleta de couro de crocodilo. A imprensa americana adorou a aposta e o apelidou de Crocodilo. Rene venceu e seu amigo Robert George desenhou um crocodilo, que foi costurado no blazer que ele ganhou no campeonato.

McDonalds. Como já me disseram, se você estiver na estrada e vir o símbolo do McDonalds, é sinal de que há civilização por perto. Os dois arcos dourados foram criado por Jim Schindler em 1962 para decorar as laterais dos restaurantes. Apesar de formarem um M, eles chamavam de Arcos Dourados porque, na época, ter uma franquia do restaurante era como ter uma mina de ouro. Além do mais, arcos simbolizam proteção, abrigo. Um lugar para uma escapada.

Pepsi. Em 1893, um farmacêutico da Carolina do Norte chamado Caleb Bradham inventou uma mistura refrescante para seus clientes. A bebida se chamava Brad’s Drink, mas só passou a se chamar Pespsi em 1898, quando ele comprou por cem dólares o nome Pepsi-Cola de um concorrente falido. A bebida ficou tão popular que virou um grande negócio. Repare que os primeiro logos eram semelhantes aos da rival Coca-Cola.

Anúncios

5 comentários em “logorama – parte 1”

  1. Posso ser chata? Já sendo?
    “Logotipo” se refere a uma marca que se baseia num desenho tipográfico (como a da IBM, por exemplo). Uma marca pode conter informação tipográfica e simbólica ao mesmo tempo, como a da Nestlé. Nesse caso, o ninho é o símbolo da marca.
    Tem gente que não gosta de dizer “logomarca” porque “logo” e “marca” significam a mesma coisa. Mas particularmente, eu acho um bom nome. “Marca”, só, pra mim, é mais como “Brand”, um conceito que vai além da questão do desenho de tipos e símbolos. Tem a ver como uma “personalidade”, eu acho.
    Só meus dois centavos! Adoro esse assunto.

    1. Sabe que eu fiquei em dúvida entre logotipo e logomarca, não sabia a diferença – ainda não sei exatamente qual. Pelo que li, as duas palavras têm relativamente o mesmo significado, mas o conceito de logomarca é visto com imprecisão, algo que abrange muitas coisas. Enfim, é um assunto que me interessa muito!

  2. Adoro estes seus posts informativos. O melhor ainda é que existe uma grande variação do tema, passando por filmes, séries, e agora entrando no mundo da publicidade!
    E você deu a MELHOR DEFINIÇÃO EVER para a Apple: “Como Adão e Eva, nós queremos esta maçã, mesmo não sabendo direito para que funciona.” AHUHAUHAHUAHUAhu

    1. Eu também gosto destes post, é coisa de gente curiosa. Se tivesse mais tempo, faria mais.

      Mas não é verdade? Eu só sei usar 20% do que um aparelho eletrônico me oferece, vide o celular. Tem coisa ali que eu nem sei pra que serve ou como funciona, mas que é legal, isso é.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s